Sexta, 18 de Janeiro de 2019
PROCON
Irregularidades detectadas levam Procon Estadual a autuar loja da Havan na Capital
Imagem: ASSESSORIA
Publicado em 11/01/2019

Em ação de fiscalização realizada nesta quinta-feira (10.01) por equipe da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast, em uma das unidades da Havan – rede de lojas de departamentos em nível nacional, em Campo Grande, atendendo a reclamações, foram verificadas várias irregularidades que, em última análise, se configuram em prejuízos para o consumidor.

Entre os principais problemas detectados pelos fiscais do Procon Estadual, destaque para a exposição de produtos para venda sem informação de preços, indisponibilidade de itens divulgados em tabloides distribuídos ao público com validade até o dia 14 de janeiro em curso, diferença de preços entre os fixados nos produtos e os cobrados nos caixas e, ainda, mercadorias expostas com avarias ou faltando peças sem qualquer comunicação ao consumidor.

No que diz respeito à falta de informação de preços, a lista de itens é bastante extensa e diversificada. Entretanto destacam-se bichinhos de pelúcia, bonecas de pano, almofadas para pescoço, apontador com depósito, réguas, cola com brilho, chocolates em barras, salgadinhos e balas entre outros.

Apesar de constar no tabloide de divulgação, não foram encontrados em estoque, brinquedos como carrinhos resgate, jogos ex box e materiais escolares a exemplo de cadernos. Com relação à disparidade de preços entre gondolas ( ou tabloide) e caixas constam, por exemplo, garrafa térmica que, na gondola consta por R$ 29,99 enquanto no caixa são cobrados R$ 49,99, massa para modelagem o preço exposto é de R$ 29,99 e cobrado 39,99.

Expostos para venda contendo avarias, principalmente falta de peças, sem qualquer aviso às pessoas que desejam adquirir foram encontrados, entre outros, faqueiros de aço inoxidável e brinquedos de lançamento de dardos.

Em relação às irregularidades encontradas no comércio, o superintendente do Procon Estadual, Marcelo Salomão, adverte à população que, “ independente de se tratar de um pequeno estabelecimento ou de rede de lojas, o direito do consumidor é o mesmo. Sempre que for detectado algo que possa prejudicar quem necessita adquirir qualquer produto é recomendável denunciar para serem tomadas medidas para inibir abusos”.

Por: Waldemar Hozano – Superintendêa para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS
Comentários
veja também
Rede News Online 2011 - 2019 © Todos os direitos reservados - 3 usuários online - Páginas visitadas hoje: 0