Domingo, 25 de Outubro de 2020
Impopularidade
Eleições 2018: Azambuja perdeu nos dois turnos em Dourados mesmo apoiado por Barbosinha
Imagem: Azambuja: Apoio de Barbosinha em 2018 refletiu na perca de votos. (Assessoria)
Publicado em 27/09/2020

Mesmo apoiado por figuras ilustres como o deputado estadual José Carlos Barbosa (DEM), nas eleições 2018, este que parecia ser o “pé de boi” para garantir a vitória do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), se refletiu num cenário do primeiro e segundo turno em Dourados como um verdadeiro “pé frio. Mesmo reeleito, Azambuja recebeu uma péssima votação no segundo maior colégio eleitoral de Mato Grosso do Sul.

A pífia e impopular passagem de aliados do governador no comando da prefeitura de Dourados, isso durante seis anos, acabou não influenciando na decisão do eleitorado que preferiu o candidato do PDT Odilon de Oliveira que no primeiro turno venceu em Dourados com 45.364 votos o que representa 42,70% dos votos válidos.

Em contraponto, Reinaldo Azambuja teve o apoio de 42.882 douradenses representando 40,36% dos votos, seguido pelo petista Humberto Amaducci com 11413 votos, ou 10,74% dos eleitores. Em quarto colocado com 5423 votos ficou Junior Mocchi do MDB ficando com a fatia de 5,10% do eleitoral. João Alfredo do PSOL teve 605 votos (0,57%) e no fim da fila Marcelo Bluma do Partido Verde com míseros 557 votos (0,52%).

Em função de certos apoiadores de campanha, tais como Barbosinha, Reinaldo perdeu grande parte dos votos, enquanto que o juiz Odilon deteve a simpatia de grande parte dos eleitores. "O erro é recorrente, menosprezar os adversários, vejo que durante a campanha eleitoral vários candidatos da própria coligação de Reinaldo encontravam obstáculos para pedir votos ao candidato do PSDB quando os eleitores descobriam o arranjo político com velhas figuras no palanque, isso ao invés de ajudar Azambuja acabou atrapalhando", disse João Gomes, 65 anos, aposentado, morador no Jardim Flórida I.

A vitória do juiz Odilon em Dourados além do fator “Vostok” pode ser atribuído a escolha acertada do seu candidato a vice-governador. O bispo da Igreja Sara Nossa terra, Marcos Vitor acabou somando para a candidatura do PDT, o povo evangélico. Vale ressaltar que Marcos Vitor foi incansável em busca de votos para o juiz Odilon. Uma grande parte dos eleitores não vê em Barbosinha uma liderança que poderá mudar a história da política douradense.

2º TURNO:

Segundo o Jornal Dourados News, em 2018, o juiz aposentado Odilon de Oliveira (PDT) saiu derrotado nas eleições para o governo do Estado, porém, voltou a triunfar em Dourados, maior colégio eleitoral do interior de Mato Grosso do Sul. Apesar de superar Reinaldo Azambuja (PSDB) pela segunda vez, a diferença entre ambos caiu.

No primeiro turno, Odilon teve 45.364, ou 42,7% dos votos contra 40,36% do adversário. Já num segundo momento do pleito, o juiz recebeu 50,54% dos válidos, totalizando 55.231 eleitores. Reinaldo Azambuja saiu com 54.055 votos, 49,46%.

Por: DA REDAÇÃO / MGSNEWS
Comentários
veja também
Rede News Online 2011 - 2020 © Todos os direitos reservados