Quarta, 12 de Agosto de 2020
Sem prioridades?
Arlei Barbosa aplica R$ 30 mil em curso ‘Prefeitos do Futuro’: "Ato desnecessário em plena pandemia"
Imagem: Arlei: Curso de R$ 30 mil em plena crise mundial. (Assessoria).
Publicado em 04/07/2020

No cenário catastrófico da pandemia do coronavírus, o chefe do executivo municipal de Nova Alvorada do Sul, Arlei Silva Barbosa (MDB), fez a contratação do curso ‘Prefeitos do Futuro’, empenhando o pagamento de R$ 30.000,00 (trinta mil reais), montante quitado em uma única parcela.

Segundo o site http://www.prefeitosdofuturo.com.br a grade curricular do curso teve 3 edições presenciais, mas em virtude da pandemia as aulas estão sendo ministradas por videoconferência. "Estamos revoltados, com esse valor que foi pago, e que no site oficial do Instituto o valor é de apenas R$ 97,00 (noventa e sete reais), e que ainda pode ser creditado em até 12x, ou seja, o prefeito pagou com dinheiro público R$ 30 mil, equitativamente mais de 300 vezes o valor dessa formação, caso ela fosse feita por outros canais", disse Miriam Juventuz Miranda, 35 anos, assistente social, e servidora pública estadual.

"Uma vergonha, pois vemos todos os gestores do Brasil pregando cortes de gastos, considerando que os municípios estão passando por crise financeira, exceto Nova Alvorada do Sul, onde vemos sempre a desconstrução do discurso eleitoreiro do Arlei em 2016, este que esbanja dinheiro para aplicar em curso "profissionalizante" justamente no momento que deveria se ter austeridade orçamentária", enumerou

De acordo com o pagamento de inexibilidade n°002/2020, oriundo do processo administrativo n° 021/2020 e contrato de prestação de serviços n°012/2020, os encontros foram realizados nos meses de abril, maio e ainda restará parte dos créditos no mês de julho, ou seja, o Município quitou totalmente a formação, sem a finalização de todas as aulas.

"Enquanto isso, o Sistema "S" da Federação das Indústrias do Mato Grosso do Sul (Fiems), disponibiliza uma série de profissionalizações na área urbana e rural, seja através do Senai, Senar ou Senac. Mas para isso os prefeitos precisam firmar convênios na ministração desse trabalho técnico aos munícipes, pessoas carentes ainda precisam ser inseridas no mercado de trabalho, e vemos o Arlei inoperante na ampliação dessas ações na área da assistência social e empreendedorismo", disse Gilvan Petrônio, 53 anos, mestra-de-obras.

"Os fornecedores da Prefeitura sempre denunciam o atraso nos pagamentos, mesmo com as ordens de serviços e empenhos. Inverossímil essa situação vexatória, nós prestadores de serviço temos que nos humilhar para ver a quitação dos débitos, pois o Executivo enrola demais, agora para uma empresa de Brasília num curso considerado de luxo, o prefeito paga antes do serviço terminar”, finalizou.


Por: Jeferson Bezerra
Comentários
veja também
Rede News Online 2011 - 2020 © Todos os direitos reservados